18
Out 14

capatrip256bx.jpg

 Aos 34 anos, a atriz segue estampando de maneira fatal nosso imaginário de capa de revista

 

Desde os 8 anos, Deborah Secco acontece sob os holofotes. Como numa história que corresse paralela a sua própria história, suas personagens sempre estiverem um passo à frente. O primeiro beijo na vida real veio depois do beijo na ficção. O sexo existiu antes na novela. Aos 34 anos, a atriz segue estampando de maneira fatal nosso imaginário de capa de revista. Mas é possível falar com ela. Enquanto seu personagem posava para as fotos desta edição, Deborah Secco conversou com Trip. Assertiva, forte mas frágil, conhecedora de seus limites e de sua trajetória, a atriz cita aquela que chamou de "frase da sua vida": "Uma pessoa não é aquilo que quer, mas o que pode ser"

trip236-p017v1-1.jpg

 

Ela se diz transformada por dois de seus papéis no cinema: uma garota de programa egressa da classe média, em Bruna Surfistinha, mais de 2 milhões de espectadores em 2011; e a soropositiva terminal Judite, de Boa sorte, estreia da diretora Carolina Jabor na ficção, a ser conferido nos cinemas a partir de novembro. Para viver este drama baseado em conto do cineasta Jorge Furtado, Deborah Secco perdeu 11 quilos.

Com todos eles de volta (e mais três adicionais), a atriz carioca teve pela frente novo papel principal, o de uma decadente apresentadora de programa infantil, em A estrada do diabo (ainda sem estreia definida), de André Moraes. “Um filme diferente de tudo. Um grupo de atores está fazendo um longa de baixo orçamento e meio que pira no método Fátima Toledo, não sabe mais o que é a realidade”, diverte-se.

A alusão à polêmica preparadora de elenco (de Pixote, Cidade de Deus e Tropa de elite), conhecida pela linha dura e busca por uma atuação realista custe o que custar, entra de modo bem-humorado na conversa testemunhada por uma mesa generosa, repleta de guloseimas, fraco confesso da anfitriã. No luxuoso apartamento de Deborah, em frente à praia da Barra da Tijuca, o cenário oceânico do Rio se comporta de maneira pouco usual durante as 2 horas de papo: relâmpagos, fortes ondas, chuva de granizo.

Habituada aos holofotes desde os 8 anos, a ex-estrela infantil faz psicoterapia há duas décadas. Desde 2004, depois de sofrer de um problema na tireoide, começou uma virada atlética à base de variada rotina de exercícios: após a entrevista, empolgada, faz questão de demonstrar energicamente seus movimentos de levantamento olímpico, também conhecido como halterofilismo. Solteira após dois casamentos (com o diretor de TV Rogério Gomes, entre 1997 e 2001, e o futebolista Roger Flores, de 2009 a 2013) e um relacionamento longo com Falcão, vocalista d’O Rappa, Deborah chega aos 34 anos sem fazer o tipo je ne regrette rien (não me arrependo de nada).

Ela não se orgulha de ter posado nua para a revista Playboy duas vezes, em 1999 e em 2002, exibindo o nu frontal que mesmo no ousado Bruna Surfistinha, por exemplo, não foi necessário. “Eu poderia ter feito teatro com Antunes Filho, virado uma atriz cool. Me questionei bastante sobre isso, mas precisava da estabilidade financeira, queria proporcionar coisas para a minha família”, conta a menina criada em Jacarepaguá (zona oeste do Rio), em uma família de classe média – “baixa”, completa.

Na preparação para filmar Bruna Surfistinha, a menina que era “fragilzinha” e “fresquinha” (termos dela mesma) viveu por um mês entre garotas de programa. Moças estupradas pelos pais ou padrastos, que se drogavam para aliviar a dor, que lutavam para mandar dinheiro para filhos que mal viam. “Uma puta vida infeliz. Mas a capacidade delas de sobreviver me fez valorizar tudo que eu consegui. Uma delas me disse o que virou a frase da minha vida: ‘Deborah, ninguém é o que consegue ser. A gente é o que pode ser’. Apesar de todos os erros que cometi, dos tropeços que dei, estou superbem, tenho saúde, minha família está ótima. Vindo do lugar de onde venho, estou aqui, agora, neste apartamento”, pesa, expandindo o olhar para o belo céu encrespado.

Boa sorte, filme do qual (a exemplo de Bruna Surfistinha) Deborah é coprodutora associada, também colocou a estrela, que há dez anos tem contratos entre o primeiro time da Globo (e 20 anos de casa), no meio de mulheres com quase nada no horizonte. Visitou várias soropositivas terminais, tinha a ideia de fazer uma mulher “forte, guerreira”. Mas, ao conversar com o infectologista David Uip (atual secretário de Saúde de São Paulo), o primeiro a diagnosticar um caso de Aids no Brasil, descobriu outra chave para sua personagem. “Ele me disse que em todos os pacientes que acompanhou e viu morrer havia uma força construída na serenidade de aceitar a situação”, fala. 

Deborah tem um projeto em parceria com o diretor André Moraes já aprovado para a Gshow, braço de internet da TV Globo. “É para debater temas polêmicos, dizer não ao preconceito. Só poderia funcionar na web, porque na televisão sofreria censura”, adianta. Em breve, vai filmar, com Daniel Filho, em dois dias, Obra-prima, filme que “pretende quebrar paradigmas de distribuição no Brasil” (talvez seja exibido apenas on-line). Também tem se arriscado a escrever roteiros, desenvolvendo ideias com João Falcão e Zé Henrique Fonseca. “A minha expectativa agora é arriscar, fazer o que não sei se vai dar certo. Como me disse a Fernandona [Fernanda Montenegro, que vive a avó de sua personagem em Boa sorte], antes de uma cena: ‘Minha filha, a gente nunca vai saber se está fazendo direito’. Aquilo me deu uma calma pra vida.” Deborah diz que sua religião são “seus atos”, mas, por via das dúvidas, ligou para a mãe depois de filmar com a veterana. “Vamos numa igreja agradecer.”

 

 "Aprendemos com a minha mãe a não depender de homem: não se venda por nada, seja dona da sua vida, você é quem manda, você pode, você faz"

 

Em algum momento você pensou em ser outra coisa que não atriz? Não tenho lembrança da minha vida sem ser atriz. Nasci sabendo que seria atriz. Escrevi uma peça aos 5 anos, O arco-íris sem cor. Não foi só o texto, eu tinha todos os figurinos desenhados. Minha mãe conta que eu brincava de chorar, de rir, brincava que tinha perdido a memória, chegava no colégio sempre com uma personalidade diferente. Numa dessas brincadeiras, tipo  adedanha, vinha a pergunta: “Atriz com a letra D”. Eu respondia: “Deborah Secco”. Daí diziam: “Não valeeeee! Você ainda não é atriz”. E eu reagia: “Sou atriz, sim!”. Tracei minhas metas ainda menina: com 25 anos vou ser protagonista de novela da Globo, com 50 eu ganho o Oscar. Aos 24, um mês antes de fazer 25, o meu nome veio antes do de todos em América, novela das 8. Agora, o Oscar... [risos]. Sempre achei que tudo ia dar muito certo. Eu tinha um acordo com meu pai que, se eu tirasse menos de oito em alguma matéria da escola, pararia com o que ele chamava de “brincadeira”. Para mim, não era brincadeira. Era o meu trabalho, a minha vida. Desde os 8 anos passei a ganhar dinheiro com a profissão. Quando fazia o seriado Confissões de adolescente [na TV Cultura, em 1994, aos 14 anos], fiquei três meses sem ir às aulas, e combinei na escola que poderiam exigir 7,5 de média, mas que não me reprovariam por falta. Eu já tinha como meta os oito para o meu pai mesmo...

Seus pais se separaram quando você tinha 12 anos, você foi criada pela sua mãe. O ambiente na sua casa era feminista? Meu pai se casou de novo e foi se distanciando de nós. Meu irmão ficou dois anos com ele, só depois é que veio morar conosco. Então, no começo, éramos minha irmã, minha madrinha, minha mãe e eu. Sempre senti falta de um homem protetor, uma figura paterna. Mas minha mãe [Sílvia] nos criou – eu e minha irmã, Bárbara, – para sermos a mulher que ela não foi. E criou meu irmão para ser o marido que ela não teve. Minha irmã hoje é advogada bem-sucedida, com escritório que atende grandes empresas. Aprendemos com a minha mãe a não depender de homem: não se venda por nada, seja dona da sua vida, você é quem manda, você pode, você faz. Para o meu irmão, a lição era: não pode ficar o dia inteiro fora trabalhando, tem que ver sua mulher, seus filhos. E ele de fato prefere ganhar menos e ter tempo para levar o filho para o judô, é aquele marido que chega cedo e espera a mulher com o jantar pronto.

 

"No primeiro nu que precisei fazer, fiquei chorando o tempo todo. Tremia, não conseguia. O Daniel Filho, que me dirigiu no Confissões de adolescentes, e foi como um pai para mim, me disse: 'Vamos para a análise. Botar pra fora suas angústias.'"

 

Ela sempre foi dona de casa? Minha mãe não tem profissão, sempre foi mãe. Acho que é a profissão mais difícil que existe. Com três filhos, então, ela vivia em função da gente. Meu irmão era nadador, treinava 8 horas por dia. Acordava às 4 da manhã pra ir de Jacarepaguá (zona oeste do Rio) para o Fundão (Ilha do Governador, zona norte). Ela ia e voltava para levar a gente para o colégio, depois buscava. Ela brincava dizendo que era nossa chofer. Mas fez toda a diferença na nossa vida. Ela ficava na janela do balé gritando “é a melhor”, “linda” – mesmo eu não sendo. Levava meu irmão em todas as competições, ficava na beira da piscina com um chocolatinho na mão gritando “vai!” Tudo que ela fez por mim, fez por eles. Minha irmã também era do esporte: natação, tênis, vôlei.

Você teve uma outra irmã, mais velha, que morreu na infância. Eu tinha 1 ano e meio, ela tinha 5. Erro médico, ela teve alergia a um antibiótico, o médico não quis fazer logo a traqueostomia. E eu cresci com essa coisa de “a Deborah é doente, é fraquinha”. Tinha alergia a muita coisa. Entrava no mar, alergia a iodo; comia camarão, corre para o hospital. Hoje, tenho o maior orgulho de ser, dos meus irmãos, a atleta, a única que faz exercícios com um compromisso maior. Não só pela estética, mas por vencer os desafios que eu não conseguia. Fazer barra de um jeito que meu irmão não faz! Quando ganhei um pouco mais de dinheiro com o Confissões de adolescente fomos todos para a Disney. Na época, não andei em nenhuma montanha-russa, morria de medo, era toda fresquinha. Agora, há pouco tempo, voltei com meu irmão e minha sobrinha. Fui em todos os brinquedos, naquele Lex Luthor Drop of Doom, por exemplo, que é uma queda imensa [de 120 metros, a mais alta do mundo em parques de diversões]. Durante toda a infância fui a pobrezinha [risos]. E a mais feia. Meu irmão tem 1,93 metro, era muito bonito. Minha irmã tem 1,75 metro, e eu com meus 1,64 metro. Minha irmã ganhou corpo rápido, tem olhos verdes, cabelo loiro (depois escureceu). Eu sempre tive muita espinha, vergonha absoluta do meu corpo magrinho. Só fui aprender a andar de bicicleta há três anos. O meu instrutor falou: “É inadmissível. Você tem equilíbrio, fica em pé na bola de pilates, vai aprender!”.

Muitos talentos precoces sofrem na vida adulta em função da infância roubada pela profissão. Qual foi o impacto disso na sua trajetória? Eu não me queixo. Em Jacarepaguá, tinha pique, queimada, gato mia. Brincadeiras mais físicas que as das crianças de hoje. Eu tinha uma única boneca Barbie. Quando fui para os Estados Unidos pela primeira vez, com o dinheiro que ganhei, comprei 20 Barbies. Graças a Deus tive uma sobrinha para herdar todas. E pude brincar com ela tudo o que não brinquei na época. Meu pai era matemático, dava aulas em colégio para os melhores alunos, que estudavam muito para passar no IME [Instituto Militar de Engenharia] e no Ita [Instituto Tecnológico de Aeronáutica]. Ele me dava problemas de vestibular e eu, com 10 anos, resolvia pela lógica. Ele dizia que eu seria uma grande matemática. Ficava louco com essa coisa de eu querer ser atriz. Mas eu dizia: vou ser atriz de qualquer jeito. Se der tudo errado, vou ser atriz pobre, vou passar o chapeuzinho na praça. Eu fiz vestibular só para dar satisfação para eles, entrei em filosofia, na PUC-RJ. Passei, tranquei e falei: “Pai, meu compromisso com você foi até aqui. Tá bom assim”.

 

"Meu primeiro beijo veio antes na ficcção. As personagens viviam coisas antes de mim. Isso me machucava. O início dessa coisa da Deborah sexy foi muuuito doloroso"

 

O que você lia quando criança? Eu li O amor nos tempos do cólera com 9 anos. Pensei: “É isso que eu quero! Um amor que não dê certo, porque aí você vive a vida toda com aquilo, a expectativa. Imagina que chato arrumar um amor que dê certo logo aos 20 anos? Perde a graça”. Era uma coisa completamente louca e adiantada para a idade. Eu sempre falo que, em todas as minhas relações, tentei acreditar no príncipe encantado. Acho que assim fui levando adiante muitos relacionamentos. Como atriz, eu nem deveria falar isso, mas... Como espectadora, o que gosto mesmo é de Uma linda mulherGhost, Um dia, filme com a Anne Hathaway. Eu choro. Sempre gostei de histórias de amor, e fico pensando em vivê-las, claro. “Quando ela mente/ não sei se ela deveras sente/ o que mente pra mim” [versos de “Ela faz cinema”, de Chico Buarque] é o que mais me define nos relacionamentos. Eu falo pra mim mesma: “Não finge, Deborah, não finge”. Hoje eu tô trabalhando isso.

Que tipo de terapia você faz? Comecei a fazer análise com 18 anos. Tem ideias do Gurdjieff [1866-1949, místico armênio], eneagramas que ajudam a compor meus personagens. Comecei quando fiz uma novela, Suave veneno. Foi meu primeiro papel sexy. Eu não tinha a bagagem sexual que a personagem exigia e dei uma pirada. Tinha uma cena de dança que eu não conseguia fazer, o Daniel Filho cancelou a gravação até. No primeiro nu que precisei fazer, fiquei chorando o tempo todo, não conseguia. Tremia inteira, chorava e o Daniel, que foi um pai pra mim, que tinha me dirigido no Confissões de adolescente, me disse: “Vamos para a análise. Botar pra fora suas angústias, seus medos”. Na terapia, eu descobri que estava chorando porque ainda não tinha vivido aquilo. “Pô, para de roubar minha vida, ô, profissão!” Como no meu primeiro beijo... Meu primeiro beijo da vida real veio depois, um ano e meio depois, de eu ter beijado no teatro. E foi num curso, com o André Gonçalves. Lembro que pedi: “Dá beijo de língua, porque eu não sei beijar e preciso aprender. Eu nunca beijei na vida real”. As personagens viviam as coisas antes de mim. Isso me machucava. O início dessa coisa da Deborah sexy foi muuuito doloroso. Virei sex symbol, mas não sabia nem transar.

1412013694trip236-p023v2-1.jpg

Mas você abraçou isso bem demais, ou pelo menos assim ficou parecendo... No início, eu vou te falar que fiquei muito feliz. “Ganhei da minha irmã!” [Risos.] Depois vi que aquilo, para a minha família, naquele momento, era muito... útil. Porque podia trazer uma estabilidade financeira, uma visibilidade maior. Mas chegou uma hora em que começou a ficar só aquilo, e vi que tinha que buscar outras coisas, mostrar que eu era... o oposto daquilo. Eu não me acho nada sensual. Sou uma supermulher, legal, bem-humorada, carinhosa. Mas sexy não seria um dos adjetivos. Essa coisa que o Daniel Filho me ensinou: “Nada da Deborah pode ser maior do que a personagem. A sua vergonha não pode ser maior que a personagem! Sua vaidade, seu medo... A Deborah fica no camarim! Quem vem pro set é a personagem”. E ele, com aquela coisa do pai: “Você vai ter que trabalhar isso. Fiz assim com a Glória Pires, com a Sônia Braga, com todas elas. Então você vai aprender também. Não é a sua ética, não é a sua moral que estão aqui!”. Com isso, aprendi mesmo. A minha vaidade não é maior que o meu trabalho. Tive que emagrecer 11 quilos para fazer o Boa sorte. As pessoas me olhavam na rua, nunca me viram tão feia. Fiquei trancada em casa, porque, nas poucas vezes em que apareci, dava problema. Depois engordei todos os 11 quilos perdidos e mais 3 para fazer A estrada do diabo. Nessa época, dezembro de 2013, apareci no Vídeo show e no Altas horas. Foi nota por um mês: “Deborah gorda!”.

Hoje você atua também como produtora executiva. Os homens ainda se assustam com mulheres poderosas, ricas, donas de si? Não sei, hoje acho que vejo os homens mais assustados com mulheres que querem tirar proveito material deles. Que querem se aproveitar de uma relação para ganhar dinheiro, patrimônio. É triste, mas tem mulher que está aí para isso, os caras têm razão de se sentir acuados. Diante de uma mulher que se banca, que se basta, esses homens não duvidam do amor, se sentem verdadeiramente amados. No meu caso, talvez o meu patamar financeiro possa intimidar quem está muito longe dele. Mas eu estou tão longe de ser o que eu tenho! Minha essência não é essa.

 

"Perdi a virgindade aos 18 anos. [...] Não sou o tipo de mulher que vai dar para um cara hoje sem pensar que amanhã a gente vai se falar e discutir o nome dos nossos filhos. Se não for assim, nem começa"

 

Você é religiosa? O que eu acredito... A minha religião é o que eu faço, é a minha prática no dia a dia. Como diz uma menina, doente terminal, que eu conheci na preparação para o Boa sorte: “Certeza, certeza de que tem outro lugar, eu não tenho, não! Então vamos aproveitar aqui. Se puder, Deborah, traz logo amanhã bolo e brigadeiro!” [Risos.] Ela falava isso como uma diversão! Agora, depois de ter trabalhado com a Fernandona [Fernanda Montenegro], eu liguei pra minha mãe e falei: “Vamos numa igreja pra agradecer”.

Você ficou famosa no Confissões de adolescente, era uma molecota. Agora, na recente adaptação do seriado para o cinema, viveu uma tia. Como se vê envelhecendo? É muito louco, porque a gente lembra de olhar para a nossa mãe com essa idade e achar velha. Mas, cara, me sinto começando a minha vida. Se a finitude não me interromper antes do esperado, quero envelhecer. Desejo arduamente as rugas, ficar com o cabelo branco, desejo ficar toda curvadinha. Porque só não fica quem morre antes! Eu tô no comecinho, sou muito disposta a encarar coisas novas, arriscar. Tem uma coisa que dizem de mim: “Ah, a Deborah namora e muda de personalidade, vira outra pessoa”. Não é que eu vire. Mas qualquer relação é feita de trocas. E eu sem preconceito me predisponho a conhecer tudo. Eu sou super diurna e quando namorei o Falcão me dispus a entrar nos horários dele. Vi que aquilo poderia me fazer bem de alguma maneira. Eu ia e depois determinava meu limite: vai você, e eu fico em casa lendo um livro.

Você disse outro dia numa entrevista: eu não quero ser uma celebridade. Como é a sua relação com esse universo? Eu acho que as celebridades deveriam ser cientistas, pessoas que inventaram coisas importantes, que fizeram trabalhos relevantes, transformações sociais. Essas são as pessoas que deveríamos seguir, observar, aprender. Eu, não. Não tenho essa importância. Tento dar uma humilde contribuição. No Boa sorte, a gente discute drogas, HIV, amor, finitude, temas fortes. Eu faço também uma peça, Mais uma vez amor, que mostra, entre outras coisas, a época dos confiscos no plano Collor, aparece a Zélia Cardoso de Mello. Depois, no camarim, os adolescentes perguntam quem era aquela mulher. Eu faço questão de explicar, falar para eles do confisco etc.

Mas você joga o jogo das celebridades, dá entrevistas para certo tipo de imprensa, participa como jurada do “Dança dos famosos”, até já quebrou duas costelas participando do quadro do Faustão... Ali, no programa, eu estou sendo leal a quem me ajudou, tenho gratidão à empresa que me contrata. Valorizo o tanto que me ajudaram e faço com prazer, além do profissionalismo. Em 20 anos, meu salário nunca atrasou, sempre foram corretos comigo. Me deram tempo para que eu me redescobrisse, para que eu fizesse outros projetos. Devo essa lealdade a eles quando precisam do meu lado celebridade. E também posso usar dessa condição na hora de sentar com uma empresa para pedir apoio a meus projetos, divulgar minha peça, meu filme. Esse equilíbrio é algo que busco, ainda estou amadurecendo. Eu hoje posso estar numa entrevista falando sobre certas coisas, mas procuro um limite. Estou aqui falando de uma Deborah que interessa às pessoas, mas não é a Deborah real. Eu posso dizer isso aqui [risos].

 

"Se um dia for necessário mostrar o peito e a bunda, ok, ele pertence à personagem. Se um dia for necessário  mostrar a vagina para contar uma história, eu vou mostrar. Desde que não seja algo gratuito"

 

Você falou do Mais uma vez amor, uma espécie de seu lado politizado. Quando e como foi que você tomou consciência das coisas da política nacional? Lá em casa era proibido levantar da mesa sem ler jornal. E não tinha essa de “não quero ler a parte de economia”. Aprendi muito viajando e vendo as desigualdades do Brasil. Eu tenho um projeto social, junto com a escritora Martha Medeiros, que leva dentistas e oculistas ao interior. Tem outro com ginecologistas. Usei meu lado celebridade pra conseguir apoio. E comecei a ir com uma van fazer o preventivo em mulheres que nunca tinham feito um preventivo na vida. Aí você vê que falta muita coisa mesmo para arrumar... Eu me disponho a ir lá, levar informação. E compreensão política de que uma cesta básica não é suficiente. Mas não levanto bandeira de nada na minha vida.

Você já foi elogiada publicamente pela Dilma... [Interrompendo.] Ela fez um elogio a Natalie, minha personagem na novela Insensato coração. Eu fiquei muito grata, como ficaria grata a qualquer elogio de qualquer brasileiro. 

Você vê um avanço na possibilidade de termos duas mulheres no segundo turno na eleição presidencial? Na questão política, eu não penso nisso, sabe? Eu quero um bom presidente, seja mulher, homem, branco, negro. Eu quero é alguém que, de verdade, faça pelo Brasil.

Nos seus relacionamentos, você sempre teve noção de igualdade, na base do “o que ele pode fazer, eu também posso”? Eu sempre procuro que seja assim, e não só nos meus relacionamentos amorosos. Não tem essa de que o homem é diferente. No relacionamento de igual para igual, o que o casal combinar, vale para os dois.

Você já deu uma declaração diferente sobre fidelidade, que ela não era essencial... Foram palavras distorcidas. Eu sempre falo que “o combinado não sai caro”. Já vi muitos relacionamentos em que a fidelidade não era algo essencial para ambas as partes... dar certo. Eu não saberia viver assim, mas super
-respeito quem topa. Eu de fato acho que amando alguém a gente não consegue. Eu vejo homem dizendo isso – homem acha isso até ver a mulher com outro. Mas vejo muitas pessoas vivendo assim, algumas bem, e respeito, até admiro, queria ter esse desprendimento, sabe? Mas acho que o amor ainda me torna egoísta. Até com amigo, às vezes sinto ciúme de amizade. Aquela coisa “puxa, minha amiga, tão minha amiga, e viajou com outra amiga!”

Você teve relacionamentos com dois homens de profissões que muitas veem como “de risco” no quesito fidelidade: músico, Falcão, e jogador de futebol, Roger. E também um diretor da Globo [Rogério Gomes, com quem foi casada de 1997 a 2001]. Ah, mas a gente não escolhe, né? O amor, ele acontece. Ele vem e me toca. Não importa o que a pessoa é: branca, negra, velha, nova, famosa, cantor, jogador. Eu vou ter que lidar com as consequências, assim como eles têm que lidar com as minhas questões. Então, até nisso, a gente vai trabalhando na igualdade [risos].

No filme Bruna Surfistinha, você aparece em cenas fortes, mas não há nu frontal. Houve questões contratuais, esse tipo de restrição? Olha, no começo, o contrato estava cheio de restrições. Aí eu fui viver
um mês com as meninas, as garotas de programa. Quando saí de lá, pensei: “Cara, eu não vou fazer Uma linda mulher, eu vou fazer o que eu tiver que fazer nesse filme”. Entendi que o que eu ganhei ali iria valer tudo. Fiz as cenas sem pensar. No final, na montagem, eu estava junto, e me preocupei em incluir todas as cenas necessárias para contar a história, sem a preocupação do que iria aparecer ou não. Queria causar o desconforto que senti vivendo aquela vida. Queria que os espectadores saíssem com uma sensação
estranha, pelo menos. Achava que eram muito mais fortes aquelas cenas de homens me pegando, me batendo, do que o nu, a perna aberta. A perna aberta não contava aquela história, os tapas, sim. Se
um dia for necessário mostrar o peito e a bunda, ok, ele pertence à personagem. Se um dia for necessário mostrar a vagina para contar uma história (de um câncer, por exemplo), eu vou mostrar, desde que não seja algo gratuito.

E fazer a Playboy, como foi? Hoje eu não faria novamente a Playboy. Na época, pensei na segurança financeira, no bem-estar da minha família. Na primeira vez que posei, gastei meu cachê com uma casa para a minha mãe, uma casa para o meu pai, e paguei os estudos dos meus irmãos. Na segunda, comprei uma casa para mim, e apliquei um dinheiro. Eu pensava: “Se eu ficar desempregada, consigo viver com esses juros”. A casa era em Jacarepaguá, depois a gente veio para a Barra. E hoje, como eu não preciso mais, já tenho essa segurança financeira, o que a revista pode me dar em troca? Não sou dessas pessoas que querem ter sempre mais, em termos de ganho material. Eu pensava muito nisto: quantas pessoas fizeram uma novela de sucesso com 18 anos e depois não deram certo? Eu achava que essa segurança
financeira faria uma diferença na nossa história. Por isso decidi posar nua. Hoje, tenho muita tranquilidade para falar a respeito. Depois que tive essa lição de vida com as garotas de programa, com quem convivi para fazer o Bruna Surfistinha, isso tudo ficou bem claro e resolvido para mim. Isso me permitiu ser quem sou hoje, não estar atrelada a projetos comerciais, não ter que vender, não o corpo, mas a verdade artística. Hoje eu posso brigar pela minha verdade artística.

Uma indiscrição, como você se refere a sua vagina? Nunca chamei de nome nenhum. Quando era criança minha mãe falava “limpar a pepeca”. Depois comecei a falar “vou fazer higienização íntima”. Boceta eu não falo. Acho feio. Vagina é uma palavra complexa, são muitas sílabas se comparar com cu [risos].

Ao longo da carreira, além do processo de conquistas pela atividade física, você também se submeteu a transformações corporais. Até que ponto colocar silicone nos seios, por exemplo, é uma exigência de mercado de trabalho? Na verdade, eu botei silicone por uma questão que surgiu na análise. Eu tinha um superproblema com o peito da minha irmã. Ela tinha um peito lindo – e o meu peito não crescia. Até que um dia, a Dora, minha analista, disse: “Ô, Deborah, eu sou contra a plástica. Mas se isso está te fazendo mal na relação familiar, resolve o seu problema. Vai para vida”. E eu: “Não sei, quero ter filho antes”. E ela: “Mas isso parece ser um problema tão grande que você talvez nem tenha filho por causa dessas questões”. Se é um nariz que incomoda, alguma coisa física que faz mal para a pessoa, acho ótimo resolver com plástica, mesmo que soe fútil para os outros. Eu cresci com isto: minha irmã era muito mais bonita, os meninos gostavam dela. Os que eu gostava, namoraram com ela. Ela é um ano e meio mais nova do que eu. Eu jogava a culpa disso no peito, sabe? E realmente foi a solução, porque eu botei o peito e vi que não era esse o problema [risos]. Botei uma vez só, foi pouco, 230, 280 mililitros, eu acho. De roupa, não aparece tanto. Não sei se faria hoje, sabendo de tantos casos em que houve complicações. Bom, não ficou dos piores [risos]. Tem coisas que a gente só aprende com a idade. No final, mais vale o molinho verdadeiro do que o duro falso [risos].

Você cresceu na era da camisinha, a Aids já era tema na época do Confissões de adolescente. Como viveu a sexualidade nessa fase? Muito antes da minha primeira relação, minha mãe já havia me levado ao ginecologista. Fui apresentada à pílula, camisinha etc. A gente tinha aula de educação sexual: a coisa de como pedir para o cara botar a camisinha eu aprendi no colégio. Perdi a virgindade aos 18 anos, com camisinha. Assim, de uma forma lúdica, eu diria que não sou o tipo de mulher que vai dar para um cara hoje sem pensar que amanhã a gente vai se falar e discutir o nome dos nossos filhos [risos]. Para mim, a intimidade que o sexo permite a um casal é para pensar em construir uma vida juntos. Se não for assim, nem começa. Eu não lido bem com isso: se o cara não me ligar no dia seguinte, eu me mato [risos]! Não tenho essa força. Eu namoro muito, me envolvo muito. Tento acreditar nesse amor que talvez não seja tão perfeito quanto acho que é. E, com o tempo, me deparo com a realidade. Mas sempre começo alguma coisa pensando em relacionamento.

E drogas, elas estiveram por perto? Costumo dizer que tive sorte. De conhecer o final da história muito cedo. Tive contato com as drogas assistindo a pessoas muito próximas morrerem de overdose. Minha mãe segurou a gente em casa o máximo que pôde. Quando fui ter contato com drogas, já vi o fim da história: overdose, corre pro hospital, vai morrer, não vai morrer. Nessa ocasião, pensei: “Não quero isso para mim. Deve ser bom pra caralho, senão as pessoas não iriam se foder assim”. Isso ficou claro pra mim aos 17 anos. Eu nunca experimentei, e nem posso. Tenho total consciência. Pessoas com a minha intensidade... O meu fim seria aquele que eu vi, e seria rápido. Sou assim com comida. Como uma forma de pudim inteira. Tiro do forno e como direto. Uma panela de brigadeiro todinha também.

Doces são o seu fraco? E álcool? Só os doces. Comida em geral: arroz, feijão, farofa. Bebida, não. Não bebo nada, nem vinho. Não gosto do cheiro, acho mulher bêbada feio, perde uma coisa mágica, suave, doce... Mulher com cerveja, então... Mas quem gosta, tudo bem. Eu acho que se bebesse também, poderia adorar, gostar demais, ficar doida... Tem uma outra coisa aí: eu sempre soube que nasci com uma loucura artística de me permitir viver outras vidas. Por isso não posso perder minha razão, eu me perderia por aí. Passar do ponto fora da consciência, sabe? Eu já vim querendo brincar de ser outra pessoa, já vim com essa dose de loucura. Mas, convivendo com pessoas que usam droga ao longo do tempo, minha prática sempre foi: eu não peço pra você parar, você não pede pra eu usar.

1412013690trip236-p018v1-1.jpg

 No primeiro book, aos 9 anos: "Não tenho lembranças da minha vida sem ser atriz"

trip236-p019v1-1.jpg

 

Com a mãe, Silvia Regina, os irmãos Ricardo e Barbara e os sobrinhos

trip236-p019v1-2.jpg

 Abraçada ao pai, Ricardo

trip236-p021v1-1.jpg

 Na primeira peça em que atuou, ainda no colégio

trip236-p021v1-2.jpg

 Aos 15 anos, no seu baile de debutante, fazendo par com Daniel Filho

trip236-p024v1-1.jpg

 No papel da filha de José Wilker, em A Próxima Vítima, na TV Globo: "Aprendi muito com ele"

trip236-p024v1-2.jpg

 Na novela Boogie oogie, com o ator Fabrício Boliveira: "Sou uma supermulher, legal, bem-humorada, carinhosa. Mas sexy não seria um dos meus adjetivos"

 

Fonte: Revista Trip

publicado por Deborah Secco Portugal às 16:17

16
Nov 13

 Deborah Secco apareceu com tudo em cima em uma revista sobre corpo e saúde. A atriz que voltou a ser loira – o cabelo até se esqueceu qual é a verdadeira cor – posou para uma sessão de fotos em um cenário molhado. Ulá lá.

 

Segura na mão do Tio do Photoshop

 

Lembram das bonecas Barbie guardadas na prateleira? Elas sempre ficavam tortas.

 

 

Bronzeamento à jato? Se não estou enxergando mal em uma das fotos ela aparece mais branquela. Que quiseram corrigir a falta de praia no corpo da moça.

 

 

Fonte: Holofote

publicado por Deborah Secco Portugal às 01:53

Deborah Secco está solteira, feliz e mais cautelosa no amor

A atriz está em curta temporada em São Paulo, para filmar o road movie A Estrada

 

É o segundo filme que ela roda em um ano: A Estrada, road movie de André Moraes, com locações em São Paulo. Voltou a ser loira para viver uma atriz que já foi famosa na infância e quer de volta seu lugar. Não fosse por isso, Deborah Secco, 33 anos, estaria viajando por aí com a família... ou dormindo! Férias, algo que ela não tirava fazia dez anos. De volta e tranquila, a atriz não abre mão, porém, de uns beijinhos de vez em quando - mas isso não quer dizer que esteja menos prudente no amor. Depois da separação do ex-jogador Roger Flores, 34, no começo de 2013, com quem ficou por quatro anos, e de um recente namoro de pouco mais de três meses com o cantor religioso Alysson Castro, 33, Deborah está sozinha. "Não me cobro estar com alguém, fico bem assim (...). Agora, arrumo um carinha para dar uns beijinhos, aí o menino, de cantor religioso, já vira popstar. Tadinho...", afirma a atriz sobre o rapaz. Não adianta: quem manda na vida de Deborah é... Deborah.

Só e bem

"Toda hora inventam um namorado para mim. Qualquer pessoa que eu conheço e com quem saio já vira meu namorado. Eu cruzo e cumprimento, virou namorado. Assim fica até difícil eu realmente arrumar um namorado. Vocês estão me atrapalhando (risos)! Só posso falar uma coisa. As outras pessoas dão muito mais ênfase às minhas coisas do que elas realmente têm. Tudo tem seu tempo. Tenho certeza de que, quando tiver alguém que valha a pena, assumirei. Quando eu tiver um relacionamento verdadeiro, grande, sério, vou ser a primeira a querer falar. Não falo, às vezes, porque não sei no que vai dar. E, enquanto não quiser falar, é porque não tenho ninguém."

Carinha

"Fico triste quando uma história pequena ganha um tamanho enorme. E, em vez de crescer e durar, a história acaba, porque não era tudo aquilo. Arrumo um carinha para dar uns beijinhos, aí o menino, de cantor religioso, já vira popstar. O cara estava me dando um beijinho, virou namorado, noivo e já estava para casar? Quem disse? Eu nunca disse. Tadinho... Eu falei que era namorado? Nunca falei. As pessoas falavam, ele falava, mas eu não. As pessoas querem aparecer. Aí vão entrevistar os homens e eles acham que estão famosos."

Ser mãe

"Não sei quando, mas serei mãe. Mesmo que tenha de adotar. Eu sempre tive vontade, desde pequena. E eu sempre pensei em ser mãe depois dos 35. Nunca quis para antes. Quando perguntavam, eu falava que seria aos 37. Era muito certa disso. Quando era nova, sempre falava que até os 35 ia me dedicar a ser uma boa atriz e, depois, me dedicar a ser mãe."

Caseira

"Eu sou muito caseira, sempre fui. Adoro ficar dentro de casa. Tenho pouco tempo para isso, porque trabalho muito e é meu trabalho sair para conhecer pessoas, para poder viver tantas personalidades diferentes. Quando termino um trabalho e posso voltar para minha energia, na minha casa, é tão acolhedor... Não é que não goste de sair, é que às vezes não tenho forças mesmo. Dou muito da minha energia para as personagens e depois preciso recarregar. Eu preciso dessa isolada, me ouvir, me escutar. Tem horas que só quero ficar sozinha."

 

"Qualquer pessoa que eu conheço e com quem saio já vira meu namorado"

 

 

Bem louca

"A Judite (personagem dela no filme Boa Sorte, seu primeiro filme no ano, em que faz uma mulher soropositiva em fase terminal) me fez mudar o foco da minha vida, mudar as coisas que eu quero. Ela me fez acreditar que, de fato, a gente não vai levar nada daqui. Acho que o importante é o que você sente, o que você vive, o que deixa com as pessoas que você ama. Procuro ser mais calma, viver em paz, mais fiel ao que realmente quero. A vida te impõe coisas que às vezes não fazem bem. Eu fiquei uma pessoa muito mais questionadora sobre a vida, sobre os porquês, para quês... Sobre tudo. Por que a gente tem de sair de casa? Por que trabalhar tanto? Acho que estou ficando bem louca... (risos)."

Baixa autoestima

"Eu não sou uma pessoa que tenha a autoestima tão bem trabalhada assim. Mas a gente luta para melhorar sempre, acertar. Acho que já tive fases mais bonitas, mas também estou numa fase que venho tentando aceitar o que é. Hoje é assim que estou. Acho que falta melhorar em tudo! Eu deveria treinar mais, comer menos, estar mais saudável. Mas é isso o que tenho no momento."

Sem mágoas

"Sou uma pessoa que nunca guardou mágoas, sempre perdoou. Graças a Deus, sou muito evoluída nesse sentido de entender as pessoas como elas são. E não falo mal de ninguém, ninguém mesmo. Todo mundo tem seus defeitos. Eu, por exemplo, tenho vários. Ninguém é obrigado a gostar de você. E outra coisa: nenhum ser humano é igual ao outro. Mas a gente acaba querendo que as pessoas sejam iguais à gente. Uma das minhas melhores amigas é completamente diferente de mim. E eu a amo e ela me ama independentemente do que temos de diferente."

Fora da dieta

"Passei dois meses viajando, pelos Estados Unidos, com a família toda. Fui a Nova York, São Francisco, Los Angeles e Las Vegas. Agora, estou tentando voltar à rotina. Porque viajando de férias não tem como se poupar de comer. Férias são férias! Não sou doente com essa coisa de emagrecer. Não tenho muito essa vaidade para mim. Minha vaidade é para a personagem. Eu emagreço, engordo, fico sarada ou magrela se necessário. Eu me determino para o que quero, mas, de férias, dane-se! Graças a Deus tenho total consciência de que o meu melhor não é o meu físico. Claro que trabalho com isso e vira uma necessidade para minhas personagens, mas eu realmente não vivo disso, não vivo para isso. Não é o meu foco, e nunca foi."

Sou dorminhoca

"Estou malhando bastante, porque essa personagem nova, a Laura (A Estrada), tem muita força física. Ela tem de levantar a perna, chutar, correr. Isso, para mim, voltando de férias, ficou bem difícil nos ensaios (risos). Mas, se não fosse pela personagem, de verdade, de verdade, não sei se voltaria, não. Iria ficar esperando uma personagem depois do Natal, aí já juntaria com o fim do ano (risos). Se não precisasse, eu ficaria em casa dormindo! Sou muito dorminhoca."

 

"Quando posso não me arrumar, me acho muito melhor"

 

Sem maquiagem

"No dia a dia sou muito natural. Evito secador, chapinha, babyliss, maquiagem. Quando posso não me arrumar, me acho muito melhor. Sem maquiagem, me acho bem mais bonita. Mas sem Photoshop... não sei (risos). Acho que os defeitos, hoje, são qualidades. As rugas que vão vir, espero que venham fortemente, para que eu possa comemorar meus 84 anos como minha avó comemorou recentemente, com a maturidade refletida no meu rosto. Não existe juventude eterna."

Festa de aniversário

"No ano passado, fiz uma superfesta em casa e cantei a noite inteira. Adoro cantar. Mas estava mais tranquila de trabalho. Este ano, no dia, já sei que não vou conseguir comemorar, porque estarei no último dia de filmagem. No que vem que é a hora de comemorar, porque são 35 anos, uma data mais redonda, uma boa marca. Mas foi um ano ótimo para mim. Consegui fazer dois filmes, o que é uma marca incrível, além da série na TV que amava (Louco por Elas). Acho que cada ano é bom. Tem sido cada vez melhor para mim, graças a Deus."

Longo processo

Um caso na Justiça tem perseguido Deborah Secco há mais de três anos - e agora a sentença saiu, condenando-a por desvio de verbas públicas, em ação de enriquecimento ilícito e improbidade administrativa. A pena? Deborah teria de devolver 158.191 reais aos cofres públicos, somados ao valor que a mãe, Silvia, 61, os irmãos, Bárbara, 32, e Ricardo, 40, e a produtora da família também terão de retornar ao Estado, 446.455 reais. A sentença saiu em 24 de outubro. Ao caso, cabe recurso por seu advogado, Mauro Roberto Gomes de Mattos, que desbloqueou os bens da atriz e ainda liberou 967 mil reais, que também estavam retidos pela Justiça - Deborah só podia movimentar a conta-salário da Globo.

O desvio teria acontecido entre 2003 e 2006 e o principal personagem é o pai da atriz, Ricardo Tindó Ribeiro Secco, 62, que seria o chefe operacional de um desvio de dinheiro em subcontratos entre a Fundação Escola do Serviço Público e ONGs, no Rio de Janeiro. O pai e sua mulher, Angelina, teriam recebido 453 mil reais no esquema. O advogado de Deborah alega que "improbidade administrativa" pressupõe interação da atriz com o poder público, o que não teria acontecido. Os valores teriam sido uma "mesada" de pai para filha, pela alegação de Mauro. Segundo a assessora da atriz, ela não pode se pronunciar sobre o caso, que corre em segredo de Justiça. "Isso é um absurdo. Deborah está com a consciência tranquila, seguindo sua vida", disse a assessora, Piny Montoro, 36.

ESTA ENTREVISTA FAZ PARTE DA EDIÇÃO 1991 DA REVISTA CONTIGO!, NAS BANCAS EM 13/11/2013.

 

 

A atriz se define como dorminhoca, caseira e com valores muito simples

 

Fonte: Contigo

publicado por Deborah Secco Portugal às 01:43

06
Abr 13

Atriz posa para a revista "Contigo!" desta semana

Em 45 dias, Deborah Secco emagreceu 12 quilos para viver Judite, personagem soropositiva no filme "Boa Sorte".

"Fiquei sem comer, reclusa, introspectiva. Foi muito difícil. Eu chegava em casa, Roger me abraçava e chorava. Minha mãe, então, não podia me ver que caia em prantos", contou a atriz em entrevista à revista "Contigo!" desta semana.

Deborah afirmou que o papel foi o mais difícil em seus 25 anos de carreira. "Eu quis ter um aspecto doente", explicou.

O filme é uma adaptação do conto "Frontal com Fanta", do escritor Jorge Furtado, e tem produção e direção de Carolina Jabor e participação de Fernanda Montenegro. O elenco também conta com Felipe Camargo e Cássia Kiss Magro.

 

Fonte: Contigo

publicado por Deborah Secco Portugal às 20:20

Segundo Folha de S. Paulo, recomendação é que atriz tenha 90 dias de repouso 

 

Deborah Secco precisa pegar "mais leve" , segundo atestado médico

 

No ar em Louco Por Elas e prestes a estrelar filme sobre a banda Calypso, Deborah Secco apresentou atestado médico à produção da peça O Casamento, que estreará no dia 13 de abril, e se afastou do espetáculo, segundo a coluna de Mônica Bergamo, do jornal Folha de S. Paulo. A recomendação é que a atriz fique 90 dias de repouso.
De acordo com a publicação, na semana passada Deborah havia declarado que sairia da montagem porque a Globo estendeu a temporada da série. "Até os patrocinadores nos questionaram sobre o verdadeiro motivo do abandono de Deborah", disse o produtor Fernando Padilha à Folha.
Já assessoria de imprensa da artista afirmou que ela não tem problema de saúde, mas recebeu orientação médica para “pegar mais leve”. No mês que vem, ela começa as filmagens do longa-metragem que contará a história de Joelma e Chimbinha.

 

Fonte: Contigo

publicado por Deborah Secco Portugal às 20:14

14
Mar 13

Deborah Secco perdeu 8 kg para viver drogada com Aids no longa-metragem 'Boa Sorte', que está sendo rodado no Rio em fevereiro de 2013

 

A maioria das pessoas acha que os atores têm uma vida linda, glamourosa, cheia de festas... Mas, além dos holofotes e dos vestidos luxuosos do tapete vermelho, famosos, como Beyoncé, Colin Farrell, Natalie Portman e Deborah Secco, têm feito muitos sacrifícios para dar vida a seus personagens no cinema e na TV.

 

Na quinta-feira (14), Deborah assustou quem passava pela praia do Recreio, na zona oeste do Rio. A detentora de um outrora corpo de causar inveja apareceu macérrima de biquíni para rodar cenas do filme "Boa Sorte". No longa-metragem de Carolina Jabor, ela interpreta uma drogada e portadora do vírus da Aids. Para viver a personagem, a atriz procurou a médica Heloísa Rocha, que a auxiliou na perda rápida de 8 kg para ficar quase esquelética.

Quem também teve que emagrecer bastante e, além disso, raspar as sobrancelhas para rodar o filme "Dallas Buyers Club", foi o ator hollywoodiano Jared Leto. O norte-americano será um travesti soropositivo na fita. O companheiro de elenco e galã Matthew McConaughey também apareceu 17 kg mais magro no set.

Em 2012, Cristiana Oliveira entrou numa dieta rigorosa para participar da novela "Salve Jorge". A atriz, que engordou 15 kg para interpretar uma presidiária lésbica em "Insensato Coração" (2011), perdeu 17 kg e está com um corpão para viver Yolanda na trama de Glória Perez.

 

Fonte: Purepeople

publicado por Deborah Secco Portugal às 00:23

13
Mar 13

Atriz secou 12 kg em apenas 45 dias para interpretar uma aidética em Boa Sorte

 

Deborah Secco assustpu seus fãs ao aparecer magérrima em gravação

 

Há algumas semanas a atriz Deborah Secco impressionou ao aparecer 12 kg mais magra para interpretar sua personagem Judith, no longa Boa Sorte, de Carolina Jabor. As fotos foram tiradas enquanto a atriz gravava uma das cenas de biquíni em uma praia da Zona Oeste do Rio de Janeiro.

Disciplinada na profissão e mais do que acostumada a engordar e emagrecer para personagens tanto na TV quando no cinema, desta vez, Deborah, aos 33 anos, precisou secar para dar um tom a mais de realidade e verossimilhança ao viver uma mulher aidética e viciada em drogas.

Com a ajuda de especialistas, a atriz conseguiu eliminar 12 kg em apenas 45 dias. Ela passou por uma dieta restritiva – que se intensificou no final do processo – em três etapas. Além disso, não parou de comer de três em três horas e nem com os exercícios. Mas já que perder massa magra era algo necessário, a atriz deixou de fazer exercícios ao final do processo de emagrecimento.

 

No fim do ano passado, a atriz, com 1,64 de altura estava pesando 53 kg. Hoje, com os 12 kg a menos, Deborah está pesando 41 kg. Segundo o cálculo do IMC (índice de massa corpórea), atualmente a atriz está muito abaixo do seu peso normal, sinalizando um índice de 15,24. Quando o normal deveria ser, pelo menos, 18.

IMC x Paixão pela profissão

Baseado nestes números, o R7 entrevistou especialistas para responder a uma única pergunta: quais são os riscos que emagrecer demais em muito pouco tempo traz à saúde de um indivíduo que já é magro?

Segundo Dr. Luiz Vicente Berti, diretor do Centro de Cirurgia da Obesidade e Metabólica e membro da Sociedade Brasileira de Cirurgia Bariátrica e Metabólica, o emagrecimento muito rápido em quem já é magro, como Deborah, é uma agressão excessiva ao organismo.

Ele afirma que, doenças como Aids e Câncer causam o chamado “catabolismo” no organismo (caso da personagem de Déborah no filme). Que é o processo que quem precisa emagrecer entra: o de fazer com que o seu corpo entenda que precisa perder peso:

— Se eu vou perder peso, eu tenho que entrar em uma situação que se chama catabolismo. Que nada mais é do que fazer com que o organismo entenda que precisa queimar mais energia do que ele precisa. E isso pode ser feito como? Com dietas extremamente severas. Em alguns casos, a pessoa chega a perder 8 % do peso total.

E continua:

— Quando você faz uma dieta extremamente rigorosa você expõe o seu corpo a substâncias que não são normais a ele, causando uma série de alterações hormonais. Pela nossa genética, o homem deveria ser gordinho. No passado, gordura era uma coisa boa, sinônimo de reserva de energia. Hoje a gordura virou uma doença.

Para o especialista, como a atriz já era bem magra, ao perder mais 12 kg e ficar com um IMC abaixo do ideal, a sua vida pode estar em risco. Por “em risco” o especialista entende que são uma série de problemas hormonais, renais, e até uma síndrome metabólica.
Dr. Luiz afirma que não é só o IMC que preocupa, mas sim, a forma como foi feito o emagrecimento: rápido e com muita perda de massa muscular.

— Se ela perdesse 12 kg ao longo de 11 meses o corpo se adapta e mantém a massa corporal entre 18,5, por que você não perde muita massa muscular e sim, gordura. Muitas modelos conseguem fazer isso. São muito magras, mas estão com a taxa do IMC equilibrada. Provavelmente se você pegar tudo o que ela fez ela vai estar com uma perda de peso muito grande (gorduras somadas à massa muscular). Está certo que o personagem que ela tem que viver no cinema exige essa mudança, mas eu acredito que poderia ser feito de outra forma. Com maquiagem, luz, etc. Quando você faz algo violento assim, em que o seu IMC chega a ficar abaixo, é um absurdo. Isso é uma desnutrição severa e está colocando a vida dela em risco.

Desnutrição e estabilização do peso normal

Mesmo com o acompanhamento de médicos, o emagrecimento de Deborah não é algo saudável ou que entre nos padrões de quem quer emagrecer e manter a saúde em dia. A nutricionista Lorença Dalcanale acredita que Deborah terá que ser firme na hora de voltar ao seu peso normal, além de ficar mais atenta com sua saúde:

“Quem emagrece rápido também engorda rápido. Quando ela voltar a comer normal, provavelmente terá um ganho de peso até maior do que ela tinha antes. Isso por que o organismo entra em estado de alerta e quer voltar ao peso anterior de qualquer jeito”, explica.

É por isso que dietas muito restritivas para quem está acima do peso e quer emagrecer, não dão certo. O organismo entende que não está no seu “normal” e volta a engordar até mais do que o esperado quando a pessoa deixa de fazer a dieta. A nutricionista não recomenda, nem para quem está acima do peso, este tipo de emagrecimento:

— Não pode ser adotado. Não é recomendado. Se você adequar a uma dieta completamente restritiva, uma dieta muito pobre em nutrientes, o corpo vai buscar energia na massa muscular, o que faz com que a pessoa fique cada vez mais fraca. Não pode ser adotado como um estilo de vida.

Os padrões de beleza impostos indicam que a magreza é mais bonita do que ser “gordinha” para as mulheres, diferente de como era no passado e como apontou Dr. Luiz: “hoje a gordura é sinônimo de doença”. Não que este seja o caso de Déborah, mas o especialista faz um alerta para quem quer emagrecer:

— Se eu tenho um paciente que, por exemplo, fez a cirurgia do estômago e perdeu 20 kg em três meses, isso é aceitável. Está dentro dos padrões esperados. Até que depois de um tempo, esse emagrecimento estabiliza. O que não pode é agredir o organismo desta forma.

E você? O que achou do emagrecimento excessivo de Deborah Secco?

 

Fonte: R7

publicado por Deborah Secco Portugal às 20:53

17
Nov 12
publicado por Deborah Secco Portugal às 17:37

03
Nov 12
publicado por Deborah Secco Portugal às 15:31

Mas Deborah alerta: 'Por causa disso, fiquei com problema de tireóide e tenho que tomar hormônio para o resto da vida'

O Encontro desta segunda, 22, falou sobre reeducação alimentar. A atriz Deborah Secco admitiu que já fez loucuras para conquistar um corpo perfeito. “Tinha feito uma novela que eu tive que ganhar peso, que foi 'O Beijo do Vampiro'. E acabei tomando 'suplementos errados', proibidos, a famosa ‘bomba’. Fiquei com problema de tireóide e tenho que tomar hormônio para o resto da vida. Engordei 20 quilos e tive uma superdificuldade  para emagrecer”.

Depois do susto, ela aprendeu a lição e quando precisou engordar para interpretar Bruna Surfistinha no cinema contou com a ajuda de uma equipe. “Virei quase uma nutricionista”, brincou. Hoje a atriz se controla: “Tenho o lema do AA (Alcoólicos Anônimos): 'Só hoje não vou comer 15 brigadeiros'. E se cair em tentação, recomeço no dia seguinte”.

'Fiz dietas malucas'

Deborah contou ainda que hoje em dia consegue comer bem, mas nem sempre foi assim. “Fiz todas as dietas malucas. Fazia a dieta da sopa em uma semana e na semana seguinte comia tudo o que não tinha comido. Tenho mente de pessoa gorda. Durmo pensando no que vou tomar no café e acordo pensando no que vou almoçar”, disse a atriz. Ela confessou também que não tinha uma educação alimentar muito boa em casa durante a infância e a adolescência: “Comia arroz, feijão, bife e batatas fritas praticamente todos os dias. Hoje, aos 33 anos, tenho uma educação alimentar legal, o que é bom para conseguir ter o corpo que os meus personagens exigem”.

 

Para ver os videos: http://tvg.globo.com/programas/encontro-com-fatima-bernardes/O-Programa/noticia/2012/10/deborah-secco-admite-que-fez-dietas-malucas-tenho-mente-de-gorda.html

 

Fonte: Globo

publicado por Deborah Secco Portugal às 15:10

BEM VINDO (A)
Bem-vindo a este blog dedicado à talentosa actriz brasileira Deborah Secco. Aqui encontrarás as últimas notícias, fotos, videos e muito mais sobre a Deborah. Espero que gostes do meu trabalho e volta sempre que quiseres.
E-MAIL
Se tiveres coisas da Deborah Secco que queiras partilhar com outros fãs ou qualquer dúvida que tenhas deixa comentário no blog e serão te dadas todas as informações necessárias para enviares os dados.
subscrever feeds
mais sobre mim
Informações Blog
Dedicado: Deborah Secco Desde: 24 de Maio de 2008 Administradora: Patrícia Nome: Deborah Secco Portugal
GALERIA DE FOTOS (com mais de 2000 fotos e continuamos com actualizações)
pesquisar